GOLF GTI 2014 (MK VII) – UM ESPETÁCULO!

GOLF GTI 2014 KORNCARS V

Quem lê meus reviews sabe que, atrás somente dos esportivos, os hot hatches são meu tipo de carro favorito. Via de regra, são práticos, podem ser utilizados diariamente (em alguns casos) e, quando você precisar, têm a dose de adrenalina necessária.

Depois de alguns anos a bordo dos mais variados tipos de carros, você acaba se acostumando com diferentes sensações ao volante, de força e tocada, de forma que dificilmente você acaba se impressionando com um carro de primeira.

Felizmente, após dirigir o novo Golf GTI (MK VII), fiquei com vontade de ter um de tanto que gostei!

MOTOR E CÂMBIO

Infelizmente, fruto dos tempos modernos, da necessidade de motores mais eficientes, de se reduzir custos etc., mais uma vez, o grupo VW/AUDI recorre ao motor 2.0 turbo, 4 cilindros, com injeção direta de combustível (FSI). Hoje, só no Brasil, esse motor equipa: VW Jetta, VW Fusca, VW Passat, VW Tiguan, Audi TT e TTS, Audi A4 e os antigos Audi A3 e S3 Sportback até o ano passado.

Não há o que reclamar do motor em si. No caso do GTI, ele é um pouco mais apimentado que nos demais modelos da família VW, com 220 cvs (9 cvs a mais que no Jetta TSI 2013) e 35,7 Kgfm de torque a partir dos 1500 rpms e mantendo-se constante até por volta dos 4400 rpms  (cerca de 7 Kgfm a mais que no irmão maior).

O câmbio é o também já conhecido DSG, de dupla embreagem, com 6 marchas (no 1.4 TFSI de entrada, o câmbio tem 7 marchas, mas lembremos que o GTI é mais voltado para performance, e não exatamente somente para eficiência e baixo consumo de combustível).

No papel, então, as coisas parecem não ser muito favoráveis à inovação. Porém, na prática, as coisas mudam um pouco. A começar pelo câmbio que, na minha sincera opinião, é marginalmente mais agressivo do que no Jetta TSI e Fusca. Confesso que isso pode ser muito mais uma impressão do que realidade, mas achei a resposta do câmbio, principalmente diante dos comandos manuais pelas borboletas situadas atrás do volante, mais direta, rápida e obediente a bordo do GTI.

Quanto ao motor, não diria que a principal diferença reside na  potência maior comparativamente ao Jetta e o Fusca, mas sim no TORQUE. Eu sempre achei os demais modelos da VW meio estúpidos nesse aspecto. Qualquer coisinha, as rodas dianteiras gostam de patinar (no caso do Jetta interrompidas pelo “pentelho” do controle de tração que não pode ser desligado). No caso do GTI, devido ao melhor equilíbrio chassi X suspensão, o carro traciona muito melhor que os demais modelos VW, despejando muito bem esse torque adicional no chão. Você realmente sente uma notável diferença para os demais irmãos.

Agora, tenho certeza que da mesma forma que a Volkwagen escondeu o jogo nos números de potência e torque do 1.4, também deve esconder para o GTI. Com base na minha experiência, parece que o carro tem algo na casa dos 250 cvs, e não os declarados 220 cvs.

CHASSI, SUSPENSÃO, PEDAIS E DIREÇÃO

Já que adiantei acima que o conjunto suspensão e chassi do GTI é superior ao do Fusca e do Jetta, vou abordar esse ponto em mais detalhes.

Se já não bastasse o acréscimo de potência e  torque do GTI comparativamente aos demais VW com o mesmo conjunto de motor e câmbio, para realmente encontrar o diferencial do Rabbit da sétima geração, você precisa é prestar atenção no excelente trabalho que a marca fez com o chassi, suspensão e direção do modelo.

Resumindo em poucas palavras: o Golf GTI 2014 tem a melhor dirigibilidade que eu já experimentei em um carro equipado com o motor 2.0 TFSI e câmbio DSG com tração dianteira. Isso inclui carros como o Audi TT!

A direção do GTI é precisa e direta, mas na medida certa, sem ser inconveniente, dando ao carro uma razoável dose de praticidade para ser utilizado no dia a dia e, ao mesmo tempo, entreter. É bem coringa – quando você quer esportividade, tem uma excelente calibragem; porém, quando você está no trânsito parado ou manobrando, ajuda a sua vida. A última vez que vi uma direção tão bem calibrada em um carro dessa categoria foi no Honda Civic SI. Notem, não é tão direta como no nipônico, mas é na dose perfeita.

O carro tem também uma sacada muito genial em tempos modernos –  a possibilidade de se regular o modo de pilotagem por meio daquela central enorme no meio do painel. Com isso, a VW resolveu um problema muito chato sempre existente a bordo dos carros equipados com esse motor e câmbio – a resposta do acelerador. Sempre que você afunda o pé, por exemplo, a bordo de um Audi A3 Sportback antigo ou de um Jetta 2012, há um lapso de tempo entre o seu comando e a resposta do conjunto. No GTI, você pode optar pelo modo “normal” ou “esporte”. No modo normal, não muda muito em termos da resposta do acelerador – com o típico lag de resposta. Agora, no modo esporte, só lhe resta agradecer – ficou ótimo. Finalmente respostas diretas e precisas!

A suspensão e chassi também trabalham muito em sintonia com o motor e câmbio. No modo esporte, os níveis de tração e segurança encontrados são muito semelhantes aos do Mini Cooper S/JCW nas curvas mais fechadas. Basta apontar a direção e dar acelerador que o GTI segue precisamente e sem estardalhaços. Os pneus dianteiros cantam com gosto e você consegue sentir isso muito bem por meio da direção (coisa, até então, inexistente nos demais modelos, especialmente no carros da família Audi).

Em variados momentos eu tentei provocá-lo a sair de frente, mas foi difícil encontrar o limite do GTI – talvez em um autódromo eu tivesse mais sucesso. Curiosamente, ao dar algumas aliviadas de acelerador mais próximo do limite de tração, o comportamento me lembrou um pouco o Honda Civic SI, que gosta de colocar a traseira para “passear” nessas circunstâncias, apesar da tração dianteira.

No quesito frenagem, o pedal é muito preciso e o conjunto está mais do que em sintonia com a força do carro. Você consegue modular o nível de interferência que quer com mínimos contatos no pedal – muito sensível.

ACABAMENTO E ERGONOMIA INTERNA

Se até aqui as coisas já estavam boas para o GTI comparativamente ao Jetta e ao Fusca, no quesito acabamento e ergonomia, o GTI consegue também se manter à frente. Os materiais e revestimentos dentro do Golf são de qualidade ligeiramente superior. Por exemplo, onde nas portas do Jetta há um plástico duro, no GTI o revestimento é com material é macio e coberto com couro.

O GTI passa uma sensação de mais refino e luxo a bordo do que os demais modelos comparáveis da marca. Diria que o GTI puxa mais para o lado dos irmãos maiores e mais caros (Passat, incluindo o coupé/sedã CC, e Tiguan), do que para o Jetta e Fusca. Não há quase plásticos duros, há mais aplicações de couro e os materiais são mais agradável ao toque. Mesmo dentro da versão de entrada, que não tem bancos de couro, há ainda aquele clássico tecido quadriculado em homenagem aos primeiros Golfs GTI.

A central de multimídia segue o padrão alemão da marca, completa, simples e instintiva de mexer.  A posição de dirigir do GTI é na medida certa para combinar uso diário e esportividade, embora eu preferisse uma posição um pouco mais baixa. Nada que comprometa.

GOLF GTI 2014 KORNCARS II

CONCLUSÃO

Não é à toa que o Golf GTI, a cada geração, é o padrão pelo qual as demais montadoras se baseiam na hora de construir seus próprios hot hatches. Arrisco-me a dizer que o Golf GTI, desde sua primeira geração, tem legado suficiente para entrar na lista dos maiores carros de todos os tempos. Sempre foi um mito e continua sendo na geração MK VII.

É um dos poucos carros que eu conheço que consegue ser tão versátil. É divertidíssimo nas saídas de farol; em linha reta, parece que ele nunca vai ficar sem fôlego. Nas curvas, transmite uma segurança incrível. Possui um canal de comunicação muito direto com quem dirige. Porém, tem um bom porta-malas, uma suspensão mais do que adequada para o dia a dia (nem perto da rigidez de modelos como Mini Cooper S ou Honda Civic SI) e acomoda muito bem quatro passageiros com razoável conforto. 

Acabamento e ergonomia interna puxam muito mais para o lado dos irmão maiores e mais caros. A central de multimídia é completa e simples, bem como muito fácil de navegar pelos menus, mesmo dirigindo. 

Porém, como nem tudo são “flores”, apesar de ser difícil de encontrar problemas com o carro em si, ainda acho que o motor 2.0 poderia ser mais emocional e o sistema de escapamento ter um ronco mais agressivo.

Agora, uma crítica merece ser feita à VW. Para variar, é aquela mania de sempre: trazem um modelo de entrada, mais pelado, e colocam um preço que é caro, mas aceitável. Aí chegam os pacotes de opcionais. O mesmo carro que, de entrada, custa R$ 95.000,00, pode passar dos R$ 130.000,00 com todos os opcionais (que não valerão nada na revenda). Se você quiser colocar só os faróis de xenon no carro, não pode, pois a VW só o vende no pacote de opcionais mais caro. Park assist? A mesma coisa. Ajustes elétricos de banco? Só no pacote intermediário.

Com certeza o Golf GTI 2014 vai ser um sonho de consumo para muitos. Para aqueles que querem um ótimo hatch com desempenho superior aos concorrentes em preço (leia-se: Mercedes Classe A 200, BMW 118i e Audi A3 1.8 TFSI), o GTI é o carro. Pode carecer do status dos demais alemães citados, mas sem dúvidas vai divertir muito mais e sem abrir mão de um bom acabamento e praticidade. Acredito que para competir em performance com um Golf GTI, só com uma BMW 125i, que é razoavelmente mais cara (cerca de R$ 160.000,00).

Quem tiver paciência e aguardar os primeiros semi-novos pode fazer um bom negócio pegando um carro muito bem equipado a um preço mais honesto do que o cobrado nos pacotes de opcionais da VW.

GOLF GTI 2014 KORNCARS IV Der neue Volkswagen Golf GTI GOLF GTI 2014 KORNCARS III

Anúncios

35 comentários sobre “GOLF GTI 2014 (MK VII) – UM ESPETÁCULO!

  1. Belo texto, porém acho que vc se empolgou tanto com o GTi que esqueceu de citar os pontos fracos do carro, teria sido de propósito? o carro é muito discreto, chegando a ter um visual simples demais e facilmente confundido com as versões “civis” do Golf, e não tenha dúvida que isso incomoda e muito, inclusive aos que dizem não ligar para isso…

    Existem muitas outras opções mais bem equilibradas (visual+perforrmance) que o Gti, quer, um exemplo? o Mini Cooper JCW ou até mesmo o S, são infinitamente mais charmosos e belos que o GTi e anda tão bem quanto e a não ser que vc seja um piloto de Track Day, o que não é o caso de 90% dos compradores destes tipo de carros, definitivamente o GTi não será a escolha, um belo carro, porém sem a necessária personalidade de um carro esporte completo…

    1. Então. Não. Eu continuo achando o GTI superior. Para mim, ter uma versão esportiva, porém, sutil, é excelente para o uso no dia a dia. Com todo o respeito, eu tenho, hoje em dia, um Mini Cooper S e não há um aspecto que não ache o Golf GTI novo superior. Para andar junto com GTI, só o JCW, que também já avaliei aqui, mas que não tem a praticidade e usabilidade diária do GTI. Carro esportivo de verdade prova na prática que é bom, e não no visual.

  2. Acho um belo carro o Golf GTI, minha dúvida seria se ele valeria os 120000,00 cobrados, visto que o Golf 1.4 apresenta uma grande performance e um custo 85000,00 com pacote elegance e teto solar.

  3. Excelente review Korn.

    Tenho um Passat TFSI 2008, achava que essa lentidão na resposta do acelerador era só no Passat (sedan voltado ao conforto), pelo visto até o Audi A3 é assim, bom saber que no GTI a tocada é diferente. Melhor, é possível selecionar o estilo da tocada, muito bom.

    Achei o GTI sensacional, carro esportivo que da pra se usar no dia a dia. Meu sonho sempre foi ter um Mini Cooper, carrinho pequeno, ótima tocada, econômico (sem pisar), mas pro dia a dia deve ser complicado, deve cansar né?

    O GTI é o único carro que eu compraria zero. Queria mesmo que tivesse a versão manual por R$89k! 😀

    Alias, show mesmo seria se a VW trouxesse o Golf VII R, 300cv, AWD, 0-100 em 4,9 e da pra desligar o ESP! O interessante é que na Europa a versão manual de 3 portas custa só €1.705,00 euros (R$5291,12) a mais que um GTI 5 portas DSG. Sonho de consumo!

  4. Korn, um meio-off-topic aqui, você já testou a versão 1.4 do Golf? Sabes me dizer se a resposta do acelerador é igual do GTI?

    O “Barata” do FlatOut! (antigo Jalopnik) falou muito bem da versão manual, chegando a dizer ser mais divertido q o GTI pra andar, pelo seu equilibro e menor peso, mesmo menos potente.

    http://www.jalopnik.com.br/novo-golf-o-1-4-highline-com-cambio-manual-ou-automatizado/

    Estou querendo vender meu Passat 2008 (sedan de 1,5ton sem graça) pra pegar o Golf 1,4 (hatchzinho de 1,2ton divertido e econômico). Quero a versão manual + pack elegance por 75k, mas está bem difícil de encontrar, pois só vendem com DSG.

    Deve ser um carrinho muito bom pra cidade, boa tocada, econômico e confortável.

    1. Não, ainda não dirigi o carro (apenas o GTI), portanto, não posso opinar a favor ou contra a posição do Barata. Porém, do meu ponto de vista, seria como dizer que a BMW 116i é mais divertida que uma 125i, o que é sem lógica na minha opinião. Pode ser que em uma determinada condição específica de pilotagem, o 1.4 tenha sido mais agradável que o GTI, mas isso é uma suposição. No entanto, já dirigi tanta coisa que posso dizer que é possível se surpreender quando menos se espera.

      Quanto à escolha do câmbio, eu se fosse você fugiria do câmbio manual no 1.4. De verdade, se você quer brincar com um carro manual, compre um Honda Civic SI semi-novo, que é ótimo. O Golf 1.4 é um tremendo de um tiro no pé com câmbio manual do ponto de vista do mercado. Vai micar e desvalorizar mais que o DSG.

  5. Korn,

    Parbéns pelo site e pela avaliação. Você diria que o Golf GTI de entrada é o melhor hatch zero km abaixo de R$100 mil atualmente à venda no Brasil? Acha que a versão de entrada vale a pena? Estou na dúvida entre um 1.4 com pack exclusive + teto ou o GTI de entrada.

    Valeu!

    1. O problema é que o Golf GTI de 95 mil reais é como se fosse enterro de anão – ninguém nunca viu. Existe na tabela da VW apenas.
      Carro por carro, eu acho que é o hatch mais competente até uns 120 mil reais. Nível de equipamentos, ergonomia, performance e tocada superiores à Classe A200, BMW 118i e Audi A3 1.8 TFSI, que custam aproximadamente a mesma coisa. Levar o GTI para casa, é levar um produto que briga com os irmãos hatches mais fortes da MB, BMW e AUDI.
      Se você quer esportividade, eu recomendo o GTI. Se você quer um carro que lhe onere menos no seguro e no consumo, vai de 1.4. Honestamente, não acho que o GTI seja um carro menos prático do que o 1.4.

      1. Ok Korn, valeu. Por incrível que pareça consegui encontrar a versão básica sem teto por R$99 mil (nova tabela), aqui no RJ. Achei uma opção de ótimo custo x benefício. Só queria saber se você escutou o famoso ruído do câmbio DSG durante o seu teste, ou se isso é lenda. Sabe se a VW já tem alguma solução?

  6. Korn
    Primeiramente, valeu pelas informações sobre o GTI. Assisti o vídeo “amigos por carros” com o GTI e o A3 e gostei muito das tuas análises sobre os carros. Os comentários dos teus amigos chegavam a irritar. Eles precisam falar mais de carro e fazer menos “mala”. Tenho um Mini Cooper S e já encomendei o GTI básico com teto. Sabes me dizer se já tem os faróis de xenon no aftermarket?
    Abraço!

    1. Opa! Muito obrigado pelo feedback, Rolf! Estamos aí sempre.

      A melhor opção para ti com relação aos faróis seria tentar o ebay mesmo. O Xenon original aqui no Brasil vai sair um assalto. E, no meu ver, salvo raríssimas exceções, o xenon aftermarket brasileiro tem muita cara de “xinon”, aquele treco azulado desfocado, sem contar que se você for parado numa Blitz e resolverem inspecionar teu xenon, pode dar dor-de-cabeça, pois o CONTRAN definiu em uma resolução que os faróis de Xenon tem que ter o correspondente sistema de limpeza de faróis…

    2. O meu e basico com teto e veio ser eu pedir com xenon de fabrica;sem os leds;a volks pede para voce assinar um termo que aceita e tem que pagar 2600 reais a mais

      1. É a segunda vez q ouço que isso aconteceu. No outro caso foi um GTI básico vermelho q veio com xenon, mas sem led e sem ser direcional. O cara até postou algumas fotos. Muita sorte a sua heim…
        Faz tempo q vc pegou o carro? Que cor?

  7. Belíssima avaliação. Cita os detalhes que os donos exigentes querem saber… Cansei de avaliações na TV aberta que restrigem somente em dizer de visual robusto e esportivo, repleto de tecnologia e com um desempenho de dar inveja. Queremos FEEDBACK, sensações na rodagem, respostas, críticas! Admiro muito seu trabalho aqui e no APC. Inclusive dediquei um comentário no video da S500, pra dizer que seria um puta diferencial se adotassem um formato parecido ao programa britânico Top Gear, precisa de algo mais além de 3 amigos cômicos que entendem pacas de carro?? De qualquer maneira, aguardo o meu GTI ansiosamente encomendado a um bom tempo. Suposto pra chegar na ultima semana de janeiro, e mais uma vez, VW Brasil dando um show de atendimento (uma porcaria).

  8. Pergunta: Porque é tão difícil achar o Golf GTI, versão de entrada sem o teto ? Quem conseguir comprar fará um ótimo negócio, analisando numa futura venda ?

    1. Coisa da VW. Eles sempre fazem isso. Opcionais, somente em pacotes e caros. A versão de entrada é para a tabela ver apenas e impressionar quem acha que dá para comprar o modelo de entrada…

    2. Fabio. Eu peguei o básico branco com teto. Estou muito satisfeito com o carro. É a melhor opção nessa faixa de preço, sem dúvida. Acho que se vc pegar sem teto vai ser mais difícil vender depois. Se vc chegou até o valor do GTI, faça um esforço a mais e pegue com teto que não irá se arrepender. Boa sorte!

  9. Olá a Todos,

    Amigos gostaria de uma opinião, estou em duvidas se compro um Fusca ou Golf GTI, acho os dois carros lindos mais vou usar no dia dia em rodovia, peço uma opinião sincera por favor!!!

    1. Definitivamente o Golf GTI. Melhor suspensão e um pouco mais forte. Além disso, tem a praticidade de um Golf, que é um dos hatchbacks mais elogiados do mundo.

    2. Fernando
      O Fusca é um bom carro, mas o GTI está uma geração à frente em termos de chassi (MQB) e o próprio motor, que é bem mais forte. Já andei no Fusca e possuo um GTI. Eu não teria dúvida em relação a superioridade do GTI em todos os aspectos, a não ser uma questão de gosto pessoal pelo design. Tecnicamente, o GTI é melhor.

  10. Prezados, tenho um GTi VII e falo: De fato, ESPETACULAR é a melhor definição pra esse carro. Desculpem mais uns (repetitivos) elogios, mas o carro merece.

    Já na primeira viagem que fiz, ainda que usando modo ECO quase todo o tempo de viagem, além de econômico, o carro mostrou um desempenho ABSURDO nas curvas. Descendo trechos sinuosíssimos de serra, o carro “engole” as curvas e, mesmo antes de vc ouvir qualquer som dos pneus, vc tem que diminuir pois o estômago começa a parar literalmente “nas costas” e os passageiros/convidados não aguentam o tranco, se é que me entendem…

    Além da dinâmica primorosa no acerto de suspensão e rigidez estrutural desse novo projeto, o carro te “prende” no banco. Impossível maior precisão e ajuste pra pilotagem. Um primor a vida à bordo (acabamento, luzes, bancos, tudo).

    É um carro GIGANTE perto de 95% dos carros que encontramos nas estradas. A diferença dinâmica pra média de carros é tão brutal que vc tem que tomar muito cuidado pra empolgação não resultar em acidente, pois fica difícil saber os limites do carro. Algumas simples esticadas de 140 km/h parecem NADA pra ele, pois os RPM estão lá embaixo e o carro plantado no chão. E sobra folego em qq situação.

    Outra coisa interessante que notei é um certo “respeito” dos demais carros, ainda que o GTi seja um carro discreto (parecendo um Golf “comum”). Quem sabe, identifica aquele escape duplo e perfil baixo do GTi… e respeita. Fato. O fato dele ser discreto, pra mim, é um Bônus. Um carro discreto com um desempenho desses é tudo de bom. Quem gosta mesmo de discrição vai chegar até a pensar em tirar os “GTi” do carro, hehe.

    Definitivamente, não é um carro pra gente irresponsável ou garotões desmiolados. No modo SPORT, como o giro anda sempre mais alto, o carro responde melhor a qualquer contato no acelerador. Mas já notei que no ECO vc tem desempenho de sobra (só comandar no pedal da direita) e, ainda, consumo racional. Ou seja, a não ser que esteja REALMENTE querendo voar, não precisa de SPORT.

    Mais outro detalhe interessante: em QUALQUER modo de direção, os “borbulhos” do acelerador nas esticadas de troca de marcha acontecem (não só no “SPORT”) e são um espetáculo à parte. O ruído “domado” pelo escape – perdoem-me discordar da opinião do autor do texto, pra mim é item de conforto e, principalmente, discrição (novamente ela). Gosto muito disso tb.

    Porta-malas: Mais que suficiente para 4 pessoas adultas. Com algum aperto, dá pra ir 4 adultos e 1 criança e suas bagagens tranquilamente. Já tive Golfs de gerações anteriores e nesse aspecto houve uma melhora considerável. Interessante o “macete” de esconder o tampão da mala por debaixo da forração (entre a mesma e o step). Cabe mais bagagens ainda. Esses alemães pensam em tudo mesmo…

    Outro fato surpreendente: Sair do Centro à Barra da Tijuca no meio de um dia de semana, ainda que em modo ECO, acompanhando o trânsito, com A/C ligado e fazer a média acima de 10, chegando a 11 km/l…. definitivamente o carro une o melhor dos mundos (desempenho e economia).

    Vamos aos (meus) pontos negativos. O que pode não agradar: A suspensão firme. Vejam, não acho ela “dura”: acho firme. Suspensão dura bate, maltrata os passageiros e esse não é o caso do GTi. Ainda que note-se as imperfeições da pista mais que a média dos carros (ex. Focus), o GTi absorve bem os desníveis do asfalto. Só pra efeito de comparação, o GTi absorve as irregularidades de forma similar, por exemplo, a finada GM Zafira (que nem carro esportivo era). Quem tem/teve esse excelente carro da GM à época em que era fabricado entende o que eu falo. A contrapartida, como já falei, vem na hora de fazer curvas com segurança e eficiência.

    Um ponto que a VW poderia rever: Pq não dar garantia de 5 anos (ao invés de 3)? Acho que o carro é bem construído, merecia uma garantia maior, comparável a de outros fabricantes. Medo das condições/estradas brasileiras? Dos “pilotos” brasileiros? Pode ser… só o tempo irá dizer. Eu sei que tive um Golf Mk 3, também alemão (veio inclusive com o plastico de Wolfsburg no para-brisas) que vendi com 45 mil km e estava ZERO. Não batia nada, não fazia barulho, vendi novo como comprei. Ali eu aprendi a admirar a qualidade e precisão da montagem alemã.

    Enfim, o carro merece o que falam. Não é a toa que o Jeremy Clarkson se apaixonou pelo GTi Mk VII. Simplesmente soberbo!

    Abraço a todos!

  11. Olá , alguém sabe me dizer se a versão de entrada tem um ronco maneiro quando instigamos a máquina ou o barulho só tem na versão intermediária que vem com as teclas sport, eco, dynamic, etc…? Grato André

    1. Olá André
      Tem ronco sim. Nas trocas de marcha para cima, existe o famoso “pipoco” do escape que é bem bacana. Se vc colocar a alavanca no modo S (sport), ele faz o “punta taco” nas reduções, elevando o giro, o que é bem legal. Não é um som muito alto, mas é perfeitamente percepctível. Dizem que as versões mais caras tem um “amplificador” (auto-falante) para aumentar o som. Não andei em um para poder dizer. Mas o Korn andou no modelo intermediário.

    1. Mas o teste do GTI foi feito na chuva e por isso deram apenas 1 volta. Com o A3 foram 3 voltas na pista seca. Ainda assim a diferença foi de 1 segundo…

      1. Roberto eu vi que foi na chuva e o próprio piloto afirma que daria para melhorar uns mais uns 2 segundos. Mas o post foi cruel com o A3 na minha opinião. O Golf anda mais e olha que da para colocar chip nele…fica monstro. Da uma olhada no youtube.

        Em conforto acho o A3 mais completo o Korn parece não gostar ou se identificar com Audi, pois no vídeo ele antes de andar já fala mal.

      2. Na realidade, eu já tive Audi sim. Acho carros honestíssimos para uso diário. Eles têm o interior mais bonito do que BMW e Mercedes. Porém, do ponto de vista dinâmico, pouquíssimos Audis me encantaram ao longo dos anos – Gostei muitíssimo da RS2, do primeiro S3, da RS4 B5 e do Audi R8. Os demais carros, nunca me surpreenderam do ponto de vista dinâmico.

  12. GTI da um baile bonito na BMW 125i MSport! Deixou ela pra trás em vários testes na Alemanha (quesito desempenho) e na questão de mimos também!

Leave a Reply / Deixe Seu Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s