AUDI RS6 2013

Image

Recentemente a Audi anunciou a nova versão do Audi RS6. Nesse emaranhado de novidades, fica difícil saber se é apenas um facelift ou uma nova geração que veio para ficar pelos próximos 4 ou 5 anos. Meu palpite, é que se trata de um facelift, muito embora as mudanças no carro sejam expressivas.

O Audi RS6 tem origem em meados dos anos 2000, mais precisamente 2003. Na versão original o RS6 tinha cerca de 450 Hp, câmbio tiptronic de 5 marchas, tração integral quattro e um peso de quase 2 toneladas. Era disponível nas versões sedã (1850 Kgs) e state (1865 Kgs). O conjunto era empurrado por um 4.2 V8 bi-turbo. Era estupidamente rápido e superlativos não faltaram para descrever o carro, afinal, fazia de 0 a 100 Km/h em 4,6 segundos e, sem o limitador de fábrica, capaz de ultrapassar os 300 Km/h.

Em meados de 2008, a Audi ressucitou o modelo mais radical baseado no Audi A6. Dessa vez, a Audi roubou o V10 da marca irmã Lamborghini, enfiou um par de turbinas e a lunacidade estava entregue. 580 Hp e 66 Kgfm. Dois problemas apenas com esse carro: (i) muito embora os números de potência e torque fossem absurdos e a tração fosse a boa e conhecida quattro, não havia como negligenciar os 2.025 Kgs; e (ii) o carro era estupidamente caro, mesmo nos padrões do mercado europeu e norte-americano, chegando a ser, nos EUA, 30 mil dólares que os concorrentes ///M e AMG. A performance de 0 a 100 Km/h era igual ao do modelo antecessor, muito embora a velocidade máxima e os tempos de 0 a 200 e 300 Km/h fossem melhores.

Agora, a Audi renova o modelo para 2013. O que muda?

– Downsizing: O RS6 passa a usar um 4.0 V8, derivado do Audi S6 e S8, bem como do Bentley Continental (V8) “de entrada”, só que produzindo 553 Hp e 71 Kgfm de torque. Pois é, se por um lado a potência cai “singelos” 27 Hp, o torque aumentou em 5 Kgfm. O tração quattro gerencia essa força toda na ordem de 40% para o eixo dianteiro e 60% para o traseiro.

– Câmbio: Se você achava que seria dessa vez que a Audi equiparia o modelo com o seu famoso câmbio de dupla embreagem DSG, errou! A velha desculpa do torque excessivo do modelo, fez a marca recorrer a um câmbio automático de 8 marchas da ZF.

– Peso: A Audi afirma que o novo RS6 é 100 Kgs mais leve que o antecessor.

– Velocidade máxima e performance: Dependendo do limitador escolhido pelo proprietário, a velocidade máxima do carro pode ser os tradicionais 250 Km/h ou elevada para 275 Km/h ou, até mesmo, 305 Km/h, muito embora a perua seja capaz de velocidades superiores a 320 Km/h. Em termos de aceleração, o RS6 2013 é capaz de cumprir a marca do 0 a 100 km/h em 3,8 segundos e o quarto de milha (400 mts) em 12 segundos cravados.

Não dá para negar que agora o RS6 tem números de performance dignas de carros esportivos dois lugares, mas com capacidade de transportar 5 pessoas e uma quantidade razoável de bagagens. Aliás, acho que o maior traço distintivo de carros como os Audi RS, BMW ///M e Mercedes AMG está na pretensão esportiva com toda praticidade possível.

É um apelo muito forte, pois torna possível que pais de família endinheirados pelo mundo todo possam ter uma dose de emoção que o típico SUV esportivo não entrega.

Porém, quando o assunto é Audi RS, o preço é sempre um grande problema, pois a Audi tem uma mania desagradável de precificar os produtos de sua linha mais esportiva sempre acima dos concorrentes. Estima-se que a perua custe por volta de US$ 140.000,00, o que é razoavelmente caro, considerando que estamos falando da RS6 “mais pelada” que pode-se levar embora de um concessionário. Comece a “enfeitar a obra” e pode ter certeza que o bolso vai arder.

ImageImageImageImageImageImage

Visite nossa página no facebook: http://www.facebook.com/korncars e dê um curtir para ter acesso a mais conteúdo, bem como conhecer outros fanáticos com a mesma paixão que nós por carros esportivos.

Gosta de veículos em miniatura? Não deixe de visitar o www.minikars.blogspot.com.br.

Anúncios

Um comentário sobre “AUDI RS6 2013

  1. Só quem já teve uma Audi RS6 sabe o que esse carro anda… Pra mim, se não fosse pelo “peso exagerado”, ele seria o “sedã” perfeito. Infelizmente, num Track Day é um carro que sofre muito. A Audi RS6 C5 (1º versão) que eu tive o calcanhar de aquiles eram os freios… Simplesmente FRITAVA tudo. O jeito que a turma da Europa encontrou foi adaptar um Brake Cooling Scoop do VW Phaenton para “resfriar” os freios dianteiros e amenizar o problema.

    Para uso urbano ou estrada, o carro é perfeito, mas num Track Day, infelizmente não tinha como.

Leave a Reply / Deixe Seu Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s